Família: Formação e Frutos – Fracasso ou Fama?

Pv 14.26 – Legado da família

Quais marcas você deixará na vida de sua família?

Alguns se preocupam em deixar bens materiais. Outros em deixar educação. São boas coisas. Poucos, entretanto, se preocupam em deixar um legado de temor de Deus.

O temor do Senhor significa que Deus está vendo tudo o que pensamos, dizemos, e fazemos, e que receberemos recompensa ou castigo. O legado de temor de Deus conduz o crente a viver assim, pois entende que o cônjuge e os filhos percebem sua vida e comportamento.

A alma do filho deve ser treinada. Ela não é neutra. Ou ela tem Deus como o alvo de agradar ou ela tem o que não é de Deus como o alvo de agradar e imitar. Não existe ou-tras opções. “Do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostitui-ção, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.” (Mt 15.19). Mesmo que a atitude que um filho eventualmente terá diante Deus e de Seus mandamentos dependerá, no final, de uma decisão deste. Os pais treinando o filho sob um ponto de vista de temor a Deus e obediência em amor à Palavra de Deus produzirá na mente do filho os fatos necessários para fazer uma decisão correta. Mas até aquele dia, os pais têm uma responsabilidade de educar a alma do filho no caminho em que deve andar (Pv 22.6).

Alerta: ao lado desta verdade, podemos anexar a questão da educação escolar. Pais crentes devem entender que não há matéria neutra ensinada, muito menos fatos neutros. Se seu filho está numa escola não cristã tem que trabalhar os elementos cristãos de cada matéria. Avalie bem a escola cristã que seu filho estuda: Seus professores são evangélicos e treinados em doutrina e teologia? Se não são, infelizmente, farão sincretismo religioso nas matérias que ensinam: cristianismo e humanismo.

Quando um pai e uma mãe entendem que as ações do filho refletem o estado do coração do seu filho e não só imaturidade ou fases de crescimento eles têm uma base boa para enfrentar todos os desafios que vêm junto com o privilégio de ter o filho.

Deus nos deu tal cônjuge para ser alvo do nosso cuidado espiritual. Devemos olhar nosso cônjuge como um discípulo que Cristo me confiou. Devo orar pelo meu cônjuge. Devo incentivá-lo que aproveite as oportunidades de aprender de Deus: atividades da igreja; leitura de livros; encontros, conferências…

Como desenvolver uma vida de temor?

Que exemplo você dá com respeito às coisas de Deus? Seus filhos e cônjuge notam que você dá mais importância a Cristo do que as coisas corriqueiras da sua vida?

Você é assíduo nos cultos e ministérios da igreja fazendo disto algo mais importante do que qualquer outro compromisso?

Seus filhos e cônjuge notam que você se preocupa com os assuntos celestiais mais do que com assuntos terrenos?

Meios de ensinar o temor de Deus aos filhos e ao cônjuge:

1. Uma maneira de ensinar o temor de Deus é ENSINAR e ESTUDAR a Bíblia com sua família;

2. Uma maneira de ensinar o temor de Deus é ajudar seus filhos a DECORAR (memori-zar) versículos e se o cônjuge é crente, com ele também;

3. Uma maneira de ensinar o temor de Deus é ACONSELHAR os filhos e o cônjuge a não cederem à pressão dos colegas, familiares e, assim declinarem de suas convicções morais e espirituais; dos princípios bíblicos para fazerem o errado;

a. Os filhos deverão aprender a não se deixarem dobrar diante das pressões, ao con-trário, ficarem firmes mesmo se tiverem que ficar SÓS.

b. Devem aprender a escolher os amigos certos.

c. Devem aprender sobre a falsidade da ‘cara’ bonita do pecado, apresentada por todos os meios de comunicação. Devem aprender que o prazer do pecado só durará um pouco, mas que aquele que fizer a vontade de Deus terá alegria real e permanente.

4. Uma maneira de ensinar o temor de Deus é INSTRUIR os filhos a resistir ao diabo e vencer as tentações. Com relação ao cônjuge, INSTRUIR nos momentos de confidência e transparência sobre tentações que estão sofrendo;

O livro de Provérbios especifica três áreas de tentação, dando advertências especialmen-te aos jovens para que a sua vida realmente seja abençoada e feliz.

a. Salomão adverte contra os pecados do sexo: Provérbios 5:1-5 , 6:20 , 24. Seus fi-lhos, certamente, serão tentados nesta área, pois nossa sociedade e os meios de comu-nicação estão literalmente saturados do sexo. Os pais deverão não apenas proibir senão passar tempo conversando com os seus filhos dando-lhes orientação prática para sabe-rem como evitar cair nesse pecado. Eles precisam de bastante atividade construtiva para que possam gastar suas energias mentais e físicas em trabalhos, estudos, e lazeres sadi-os. Deverão ter confraternização com outros jovens crentes e assim preencher suas ca-rências sociais de uma maneira sadia.

b. Salomão adverte contra as bebidas alcoólicas, e com isso, poderemos incluir as dro-gas ou quaisquer outros “estimulantes” que sejam prejudicial mental ou fisicamente: Pro-vérbios 23:19-21; 29:35. Hoje em dia os jovens estão cercados de oportunidades para praticarem isto. Pais deverão esclarecer e orientar, pois caso contrário, mais ninguém fará isso por vocês!

c. Salomão também adverte contra a tentação de ganhar-se dinheiro de uma maneira desonesta: Prov. 20:10 , 21:6; 10:2. Não existe dinheiro “fácil”.

Relembrando a pregação do proposito da família: Formação e frutos podemos destacar que o legado que deixamos é familiares que se espelham em nosso exemplo para adorar ao Senhor.

Conclusão: cinco (5) observações sobre o princípio.

1ª observação: É importante que o marido e a esposa – o pai e a mãe estejam unidos neste esforço.

Nem sempre é possível, porque às vezes um dos cônjuges não é crente. Você que é crente faça o melhor que pode para encontrar um terreno comum com seu cônjuge descrente. Na prática: envolve acertas tarefas domésticas para não aborrecer o outro; envolve a maneira como as crianças são orientadas, educadas e disciplinadas. Às vezes, pais crentes têm opiniões divergentes sobre disciplina e criação dos filhos. Isto gera conflitos e provoca a ira do filho. O projeto de Deus, porém é um casal unido.

Os pais têm um objetivo aqui: que a criança cresça na “disciplina e admoestação do Senhor”, estas devem ser baseadas, modeladas e permeadas pela Palavra e pelo Senhor. O objetivo é honrar o Senhor. A boa educação bíblica, emocional, social e espiritual não pode acontecer quando pais estão divididos ou até em guerra sobre determinados assuntos. As crianças precisam de uma ‘equipe unida’ provenientes de mamãe e papai. Isto traz valores emocionais; dá paz à criança. Não confunda as crianças. Pais: trabalhem com suas diferenças sobre o que ensinar; como e quando disciplinar, e depois manter-se unidos diante dos filhos. Não deixe as crianças manipularem um contra o outro. Crianças são espertas. Lembrem-se: Deus é um e é triúno.

2ª observação: A tarefa fundamental de uma mãe e de um pai é mostrar Deus para os filhos e do esposo e da esposa é viver Cristo no relacionamento.

Crianças conhecem os seus pais antes de conhecer a Deus. Esta é uma enorme responsabilidade e deve provocar nos pais uma santa e forte vontade de transformação pessoal à semelhança de Deus. “As crianças terão anos de exposição sob céu ou o universo como é antes que eles saibam que há um universo. Eles experimentaram o tipo de autoridade que há no universo e do tipo de justiça que existe no universo e do tipo de amor que existe no universo, antes de encontrar o Deus da autoridade e da justiça e do amor que criou e governa o universo.” As crianças estão absorvendo do pai a sua força e liderança; de proteção e justiça e de amor. Eles estão absorvendo da mãe os seus cuidados e nutrição; do calor e da intimidade e da justiça e do amor e, certamente, este se sobrepõem a todos. E tudo isso acontece antes que a criança nada saiba sobre Deus, mas é profundamente tudo sobre Deus.

Será que seu filho é capaz de reconhecer a Deus pelo que vê e percebe na autoridade e no amor e na justiça? Porque a sua mãe e o seu pai têm mostrado junto a si como é Deus. A principal tarefa do crente é conhecer a Deus como Ele é. Aprender dos Seus muitos atributos e, em seguida, viver de tal forma que seus familiares possam ver e conhecer a Deus. Devemos direcionar nosso cônjuge e filhos sempre para o retrato infalível de Deus na Bíblia.

3ª observação: Deus ordenou que a mãe e o pai se envolvam na criação dos filhos, mas não deixem de serem marido e mulher.

O que eles são como marido e mulher é o lugar onde Deus quer que as crianças estejam e sejam: Marido e mulher, como a representação do amor de Deus; da manutenção da aliança entre Cristo e a Igreja. Este é o lugar onde Deus quer que os filhos vivam e sejam formadas. Elas serão, geralmente, o que aprenderem com seus pais.

 

4ª observação: O projeto divino é que a beleza, a força e a sabedoria da relação da aliança seja absorvida pelos filhos desde o momento que nasçam.

O cônjuge que vive Cristo e busca a transformação diária à semelhança do caráter de Cristo produzirá impactos na vida do outro. Um deles é mencionado por Paulo em 1ª Co 7. 14 – santificação ou seja: o incrédulo recebe influência de Deus e a relação dos dois tem aprovação de Deus. Os filhos são abençoados.

O ideal de Deus é que as crianças cresçam assistindo como Cristo amou a Igreja e presenciem o prazer da Igreja seguindo Cristo, por meio do pai e marido amando sua esposa e da mãe e esposa submissa ao marido.

5ª observação: cônjuges e pais que apontam para a relação Cristo e a Igreja.

Então, o que é que mais significado e profundo no casamento, a exibição da aliança de amor entre Cristo e a igreja fortalecerá o outro significado do casamento: filhos tornando-se discípulos de Jesus. Tudo é tecido junto. “Bons casamentos fazem bons lugares para as crianças crescerem e verem a glória do amor da aliança de Cristo”.

 

Sobre admin

Egon Paulitsch. Nasci em Ponta Grossa - Paraná. Formação: Bacharel em Teologia pelo Seminário Bíblico Palavra da Vida - SP. Membro da Igreja Ev. dos Irmãos de Coqueiro em Ananindeua - Pará. Vanete Monteiro Paulitsch - Nasci em Belém - Pará. Formação: Magistério; auxiliar de Enfermagem e Licenciatura em Teologia com especialização em educação cristã - Seminário Bíblico Graça - Belém.
Esta entrada foi publicada em Artigos, Esboço de pregações e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>