Gênesis 1.27,28 – Família: Formação e Frutos

Primeiro, vamos ver que o plano original de Deus na criação foi para que homens e mulheres se casem. Tenham filhos. Ter filhos é a vontade de Deus, mas no casamento. Em
segundo lugar, temos a considerar que no mundo decaído em que vivemos, não só o casamento não é mais um absoluto para todas as pessoas, mas gerar filhos no casamento também não é um apelo absoluto sobre todos os casais. Bem, um olhar é sobre a malignidade do pecado no mundo que rejeita tais coisas por motivos egoístas e em rebelião contra Deus e Sua Palavra. A Bíblia, num outro olhar nos dá uma direção para uma opção de vida de solteiro. Normal, boa, dolorosa e gloriosa, mas, também não absolutamente necessária para todos, mas uma recomendação do apóstolo Paulo.

Temas e objetivos:

Família – reproduzir a imagem de Deus

Casal – espelhar o caráter de Deus

Filhos – estampar o caráter de Deus

Dois (2) pensamentos acerca do propósito da família:

1º – Família: formação a dois

O casamento – um (1) homem e uma (1) mulher. São unidos por Deus. Não sem propósito. Companheirismo; amizade; relacionamento; interação; crescimento; doação… São alguns os benefícios projetados para o matrimônio. O casal deixa a presença de seus pais e formam um novo núcleo social. Nele viveram e se adaptaram às novas situações. É uma nova sociedade que se forma. Dois seres diferentes: experiência; formação; ideologias e visão de mundo terão que se amalgamar. Continuaram duas pessoas. Muitos pensamentos, gostos e preferencias permanecerão na alma e no coração de cada um. O grande desafio destas vidas que são uma só carne é dedicar-se ao outro. É buscar o bem estar do outro acima do seu próprio.

O casal deveria entender antes do ‘sim’ nos votos que o casamento é uma oportunidade de ser transformado e não de impor mudanças. Embora, infelizmente seja o desejo da maioria após a lua de mel. Quem casou sem tal compromisso precisa deixar-se renovar para isto se torne efetivo em sua vida.

O casal deve aceitar que há benefícios no casamento. Devem compreender que o casamento é como uma poupança: cada um precisa depositar ou investir. Investir, o quê? Palavras agradáveis; atitudes amorosas e misericordiosas; tempo; ouvido; cuidado e zelo… A razão: no casamento vivemos sacando. Queremos alimento; casa limpa; uma comida diferente; roupa; atenção; sexo…

O casamento é uma representação da aliança entre Cristo e a Igreja. O amor devotado de Cristo até a morte pela Sua Igreja representa o ideal, o alvo e a disposição do amor conjugal. Quando lemos do amor verdadeiro entre o Rei e Sulamita em Cantares percebemos que ele é o resultado da compreensão que tinham do amor de Deus por Israel. O relacionamento conjugal extraído dos cânticos evidência que entre o casal há: (1) desejo profundo pela presença do outro; (2) demonstração sincera de afeto pelo outro; (3) determinação de resolver os problemas; (4) desfrute dinâmico da pessoa do outro. Nas palavras de Camões é:

“Amor é fogo que arde sem se ver;

É ferida que doí e não se sente;

É um contentamento desconte;

É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;

É solitário andar por entre a gente;

É nunca contentar-se de contente;

É cuidar que se ganha em se perder”…

Mas, também, o casamento é para procriação. Nas palavras de John Piper: “Encher a Terra… Com adoradores de Jesus”.

2º – Família: formação a dois a frutificar – filhos

O casamento não é só para ter filhos, mas para fazê-los discípulos de Jesus. Há um duplo significado que espero ajude você a lembrar desta verdade. O casamento é para ter filhos, isto é, a procriação. Ter bebês. Este, porém não é o principal significado do casamento.

Antes da cerimonia do casamento é necessário que os noivos tratem de alguns assuntos. Os pais, pastores e outros conselheiros do futuro casal orientam-no por meio de questionamentos, reflexão em temor. Casar é um passo importante. Deve ser avaliado com muita oração, conselho. Ter filhos é um ponto que devem tratar e considerar. Se não houver desejo de ter filhos, não se casem. Alguns casais descobrem nos primeiros anos do casamento que têm problemas para gerar filhos. Considere a adoção. Na verdade, isto deve ser considerado antes do casamento. O plano familiar de Deus envolve o casal e filhos. Se Deus privou o casal de gerar filhos, então a adoção deve ser o caminho para a formação da família. Assim, o casal vai espelhar Deus na vida de filhos.

O efeito de dizê-lo desta maneira é que os casais que não podem ter filhos por causa de problemas de infertilidade podem tomar o objetivo de tornar crianças discípulas de Jesus uma realidade em suas vidas. A igreja deve ter posicionamentos claros acerca dos métodos científicos de ajuda para engravidar, bem como sobre o controle de natalidade. Não vamos discutir isto nesta conferência, mas é preciso ter opiniões fundamentadas na Palavra para orientar os casais e os futuros casais.

“O propósito de Deus no casamento para os filhos nunca foi apenas para encher a terra com pessoas, mas para encher a terra com os adoradores do Deus verdadeiro”. (JP) Um caminho para o casamento em encher a terra com os adoradores do Deus verdadeiro é para procriar e conduzir os filhos ao Senhor e criá-los no temor de Deus. Isso, entretanto não é o único caminho. Quando o foco do casamento se torna – ‘Fazer das crianças discípulos de Jesus’, então, o significado do casamento em relação às crianças não se torna, principalmente, fazê-las, mas, sim: discipulá-las. Agora, pense: o último pode acontecer, mesmo quando o primeiro não. Ou seja: posso fazer discípulos sem ter gerado filhos naturais.

Lembre-se: Deus é sábio, soberano, portanto Seu plano para um casal impedidos de gerar
filhos naturais está sob o controle amoroso e santo de Deus. Ele é todo poderoso e pode responder às orações de Seus filhos, caso seja Sua vontade.

Assim sendo, posso adicionar ao conceito de família: casal e filhos, os discípulos de Jesus. O casamento é para fazer dos filhos, discípulos de Jesus. Aqui, portanto o horizonte da família ganha amplitude. O propósito do casamento não é apenas para acrescentar mais pessoas para o planeta. O objetivo é aumentar o número de seguidores de Jesus em nosso mundo.

Duas (2) considerações sobre filhos no casamento:

1ª Ter filhos é a vontade de Deus

A primeira verdade é: o significado do casamento normalmente inclui, por desígnio de Deus, dar à luz filhos e criá-los em Cristo. Gênesis 1.26-28; 9.11. Este foi desígnio original de Deus. O casamento é o lugar para ter filhos e encher a terra com o conhecimento do Senhor. Fora do casamento, ter filhos é pecaminoso. Ter filhos no casamento nunca deixou de ser propósito de Deus, portanto uma coisa boa. Salmo 127:4-5. No Novo Testamento, ninguém é mais positivo sobre as crianças do que o próprio Jesus. Marcos 10:13-14. Cuidado para não reivindicar promessas do Antigo Testamento sobre ter filhos, pois estamos debaixo de outra aliança.

Do início ao fim, a Bíblia coloca um enorme valor para ter e criar filhos. Revela que isto é bênção. Se você está entre os poucos em nosso país, com famílias grandes, pode afirmar: É
uma vocação magnífica. Este é um dos grandes significados do casamento em ter e criar filhos: a glória de Deus.

2ª Ter filhos não é definitivo

A segunda verdade que eu quero destacar é que: enquanto o significado do casamento inclui, normalmente, dar a luz filhos ou procriação, isto não é um absoluto. Neste mundo e sociedade, caída e pecaminosa, em desesperada necessidade de conhecer a natureza do Redentor, Jesus Cristo, por si só não determina quando ou quantos filhos gerar. A decisão sobre a possibilidade de ter filhos não é finalmente uma decisão sobre o que é natural, mas sobre o que vai ampliar o conhecimento do Salvador Jesus Cristo.

Em outras palavras, há uma analogia entre a questão de ser singular e a questão de filhos. Deus disse em Gênesis 2.18: “Não é bom que o homem esteja só: vou dar-lhe uma auxiliar semelhante a ele.” Assim, parece, à primeira vista, que o casamento é sempre o caminho a percorrer. Mas, Paulo diz aos solteiros em 1ª Coríntios 7. 7-26, resumidamente:  ”Eu gostaria que todos fossem como eu mesmo sou. Mas cada um tem seu próprio dom de Deus, um de uma maneira e outro de outra.” Penso que, tendo em conta o sofrimento presente, é bom para uma pessoa permanecer solteira. “Portanto, há diferentes dons e vocações diferentes”. Casamento não é absoluto. Podemos, pensar assim sobre conceber filhos.

No princípio, Deus disse ao homem: “Sede fecundos e multiplicai e enchei a terra.” Isso é normal. Isso é bom. Mas não é absoluto mais do que o casamento é absoluto. O que é absoluto é ter filhos discípulos de Cristo e, não, somente os filhos naturais.

O casamento não é absolutamente só para procriação. Foi idealizado por Deus para ser um lugar, um ambiente e um estado de prazer, alegria, completação e para manifestar a glória
de Deus. Também é, absolutamente, para fazer filhos de Deus. Considere algumas passagens sobre ter muitos filhos – espirituais. Marcos 10.29,30 – aquele que segue Jesus terá neste mundo muitos… filhos. Romanos 9.8; 16.13; 1ª Co 4.15
Sobre isto digo: poderia incluir a adoção. Poderia incluir ministério de assistência social às crianças. Poderia incluir tornar a sua casa um lugar para grupos de estudo bíblico com crianças, adolescentes e jovens. Poderia incluir a hospitalidade em sua casa como um local
favorito para uma criança estar por algum tempo ao invés de viver na rua à mercê dos delinquentes e bandidos. Poderia incluir o seu trabalho no berçário da igreja ou a classe da Escola Dominical para ensinar. O ponto é: O casamento não é absolutamente para fazer filhos, mas é, absolutamente, para fazer crianças seguidoras de Jesus de uma forma ou de outra, direta ou indiretamente.
Nossa família é composta de 4 membros de laços naturais. Porém, ao longo destes 22 anos de casamento tivemos várias pessoas que moraram conosco. Moraram alguns meses, mas
uma moça viveu conosco por 15 anos. Saiu para se casar. Hoje tem uma filha de 4 anos; um rapaz que viveu perto de 6 anos. Hoje casado e pai de três filhos. Alguns adolescentes e jovens passavam um dia, uma noite ou fim de semana conosco. E isto, por vários anos. São nossos filhos espirituais.

Que o Senhor nos dê um foco unidos naquilo que realmente importa no casamento: Maridos e esposas amando como Cristo amou a Igreja, e as crianças vendo isso, pela Graça de Deus, amem seus pais e Seu Deus.

Sobre admin

Egon Paulitsch. Nasci em Ponta Grossa - Paraná. Formação: Bacharel em Teologia pelo Seminário Bíblico Palavra da Vida - SP. Membro da Igreja Ev. dos Irmãos de Coqueiro em Ananindeua - Pará. Vanete Monteiro Paulitsch - Nasci em Belém - Pará. Formação: Magistério; auxiliar de Enfermagem e Licenciatura em Teologia com especialização em educação cristã - Seminário Bíblico Graça - Belém.
Esta entrada foi publicada em Artigos e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>