metáfora do caráter – vassoura

Metáfora do caráter – A vassoura.

Ler Romanos 12.16; 1ª Coríntios 12.14-26;

Já declinava o dia numa tarde preguiçosa. O menino observava seu tio recortar papeis para montar algumas brincadeiras e jogos. O professor dedicava-se com afinco a árdua tarefa de ensinar. O sobrinho resolveu buscar conversa para tecer cores mais vivas à calmaria amarela que invadia a sala da casa.

  • Tio, o que vais fazer com as sobras de papel?
  • Vão para a lixeira, respondeu atento ao seu serviço.

O menino saiu. Logo reapareceu com a vassoura na mão. Ficou perto da mesa observando o trabalho do tio. A vassoura rolava por seus dedos numa brincadeira sem graça até que escapou e caiu.

O barulho fez o professor voltar-se para o menino. Não se deixou irritar pelo descuidado do garoto. Puxou uma cadeira e sentou-se.

  • Venha cá e trazes a vassoura.
  • Aqui está. Eu vou varrer para o senhor, disse respirando fundo.
  • Não te preocupes com isto, agora. Mais tarde poderás fazê-lo. Vou falar sobre a vassoura, prestes atenção.

Ela parece ser insignificante. Fica encostada a maior parte do tempo. Só a vemos, normalmente, quando a mãe vai fazer a limpeza diária. Se ela aparece de repente é porque algo aconteceu. Nesta hora, pouco importa se ela é nova ou velha; cabo simples de madeira ou plastificado; suas cerdas de piaçava ou algum tipo de plástico. Ah! Sem falar nas vassouras elétricas. Meu filho, o que importa é que a vassoura tem sua função e serventia. Ela desempenha um papel relevante para o bem-estar da casa. Quando varre o chão contribui para o ambiente ter um melhor aspecto e, principalmente, agir como agente de saúde, pois nos livra da sujeira que acumulada traz doenças.

O professor pegou a mão do menino e pos nela a vassoura e finalizou a conversa, assim:

Tu vais encontrar em tua vida muitas pessoas que são como as vassouras. Elas fazem um trabalho que poucos reconhecem. Muitas delas estão nos bastidores sem aparecer, mas cada uma faz o seu trabalho. Quando faltam, todos sentem. Valoriza tu sempre as pessoas que trabalham por trás das cortinas, quase anônimas. Valoriza aqueles que fazem atividades simples. Elas cooperam para o bem daqueles que desempenham um papel mais visível. Assim como não há sentido jogar a vassoura num canto só porque é pau e piaçava, não desconsideres as pessoas pelo que fazem. Trata-as com respeito e nunca deixes de olhar em seus olhos e de cumprimentá-las dizendo seus nomes.

Sobre admin

Egon Paulitsch. Nasci em Ponta Grossa - Paraná. Formação: Bacharel em Teologia pelo Seminário Bíblico Palavra da Vida - SP. Membro da Igreja Ev. dos Irmãos de Coqueiro em Ananindeua - Pará. Vanete Monteiro Paulitsch - Nasci em Belém - Pará. Formação: Magistério; auxiliar de Enfermagem e Licenciatura em Teologia com especialização em educação cristã - Seminário Bíblico Graça - Belém.
Esta entrada foi publicada em Metáforas do caráter e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>