Esboço pregação – Salmo 16 – Deus, minha alegria constante.

O salmo canta a lealdade  na atitude do servo fiel (1-6); e as bençãos que o Senhor fiel dará (7-11).

O salmo 16 apresenta uma proposta para tirar da vida a amargura e da morte a aflição.

Charles Wesley – ‘e andou perto de ti, até o céu’.

Porque Deus é fiel devo, portanto: ANDAR DIA-A-DIA MAIS PERTO DE DEUS ATÉ O CÉU.

A temática da alegria, do prazer que Davi prega nos convida a considerarmos 2 atitudes que dá unidade ao salmo e desafio às nossas vidas.

1ª – Confiança na vida presente. Versos: 1-6
Há uma linguagem de honestidae e transparência nestes versos. O apelo resalta a necessidade de entregar-se a Deus. Por quê? Que resultados obtemos por confiarmos em Deus? Segurança; bem-estar; amizades; ambições dignas. Davi nos diz: é possivel viver neste mundo, em meio as durezas do nosso século sem se entregar a amargura; sem deixar orientar-se pelo sentimento de coitadinho. O salmo 16 dá uma escala de valores.
Por que podemos confiar em Deus? 3 razões vemos nestes versos.
[1ª] – Deus é meu refúgio. verso1
Davi teve que fugir muitas vezes em sua vida. Aprendeu o valor de um bom local de refúgio. Uma caverna; uma cidade. O local onde nos instalamos deve ser bem escolhido. Deve oferecer condições de proteção, de abrigo. Davi experimentou refugiar-se em Gate e se deu mal.
Davi optou por se refugiar em Deus. Isto envolveu ficar debaixo da proteção e da ação de Deus; deixar que Deus cuidasse da segurança. Uma escolha que claramente diz: confio em Deus, não em mim mesmo ou nos recursos que tenho. Podemos olhar para nossa conta bancaria e achar: Tô bem na foto. Ou fazer a retrospectiva da vida e concluir: fiz muito, fui abençoado. Quando qualquer pensamento de ‘eu’ estiver presente nas avaliações, planos, sonhos – não faremos de Deus nosso refúgio. Só quando baixarmos a guardar, a auto-suficiência é que poderemos dizer como Davi: Deus é meu refúgio.

[2ª] – Deus é meu Senhor: versos 2,3
Davi declara que ele é um servo. Podemos pensar também que nesta declaração há um conceito além do senhorio, a do Mestre. Aquele que é Senhor da minha vida é também aquele que me ensina. Deus como professor nos educa com todos os métodos: A Palavra; a igreja; a natureza; a vida de outros e as circunstâncias da nossa vida. Por isso podemos confiar nEle. Ele sabe o que fazer,; porque fazer e como fazer.
Nesta confissão- Tu és meu Senhor, há consolo e confronto.
O que você acha de seus irmãos da igreja?
Sl 119.63 – companheiro sou dos que Te temem.
Uma razão para nos alegrarmos nos irmãos é porque eles trazem em suas vidas a restauração da imagem de Deus. Outra razão – Deus os ama e Cristo morreu por eles na cruz.
Para se ter prazer no irmão é preciso amá-lo. Do jeito que ele é, ajudando-o a conformar-se à imagem de Cristo.
Já atentou à maneira que Davi dispos a relação Deus e santos?
A verdadeira alegria está em Deus e não nas riquezas.
É anti-bíblico ter alegria em Deus e não nos crentes. Alguma coisa está errada com o coração de quem diz: Deus é minha herança e meu tesouro e despreza a presença de irmãos.
Não é fácil amar alguns. Deus não coloca só os ‘abençoados’ na igreja. Com certeza, alguns são ‘carne de cabeça’. Não seja você um tormento, seja uma terapia!
[3ª] – Deus é meu bem-estar e herança. versos 5,6
Davi conseguiu muitas coisas em sua vida. Ganhou muito dinheiro. Teve riquezas e bens. O rei, porém, diz que Deus é a sua riqueza, o seu bem-estar, a sua herança. As coisas podem vir e podem se perder. Quando fazemos de Deus nosso bem-estar conseguiremos viver alegres e independe das coisas que temos; das coisas que nos acontecem. Deus pode nos dar ou não. Ele é soberano sobre nós. Há para cada um de nós o desafio – optar por ter Deus como nosso bem mais precioso. Por um bem precioso fazemos de tudo por mantê-lo conosco. As riquezas não são irreais por serem difíceis de alcançar. Elas são irreais por não promoverem a alegria continua e serena.
Ex. o autor do hino ‘sou feliz com Jesus’. Escreveu em meio à tragédia da morte das filhas num naufrágio.

Derek Kidner – “colocar Deus no centro não é pietismo exagerado – é obediência pura e simples.”

2ª Confiança na vida futura – versos: 7-11
A transição entre o viver agora e a expectativa de vida no salmo é marcada pela motivação que levou Davi a ser fiel e a declarar que a fidelidade de Deus. O fato de Deus ser conselheiro.
As insonias da noite servem de professor. As desiluções, dúvidas, desânimos e dores têm uma função simples e clara no nosso coração – tirar a confiança em Deus e pô-las em outras coisas. Muitas delas lícitas. Um médico, um psicólogo, um pastor, um amigo; um empréstimo. O erro é não ir ao Senhor e fazer do Deus refúgio o nosso conselheiro. Buscar primeiro ao senhor e seu reino… Deus é capaz de nos orientar em qualquer situação. Ele oferece a estbilidade, emocional e estrutural que preciso. São momentos de uma morte não anunciada; de uma conta de farmácia que não estava no orçamento; uma traição; uma nota vermelha…
Davi passou por vales escuros; experimentou vitórias; lidou com as variantes da vida familiar. Situações diversas em que poderia ter tirados os olhos de Deus. Lutou com dúvidas como nós: será que Deus não está apertando demais?
Davi se auto aconselha: alegre-se meu coração.
Creio que ele não aponta, simplesmente, a ressurreição. Ele nos fala da vida preservada no aqui até o céu. Não é só o pós morte. É o curso da vida. É o viver diário. É confiar e alegrar-se em meio as panelas, panos e pratos dos afazeres domésticos; ao enfrentar o trânsito maluco; ao lidar com as espertezas dos comerciantes malandros. Deus está sempre presente. Nunca se ausenta mesmo que eu tolamente tente me esconder.
A salvação que Deus nos deu não é só tirar as orelhas do inferno. É infinitamente mais do que isto. Há um caminho de vida plena. Há uma vida de alegria. O salmo é aplicado a Jesus, cujo corpo não experimentou o apodrecimento da carne. Mas, é experiência de Davi e de todo aquele que crê – não ficaremos inertes na cova de algum cemitério. Ressucitaremos, porque Jesus venceu a morte.
Deus nos convida para em Sua pessoa nos refugiarmos. Quando a tempestade dos problemas; as tentações sexuais ou financeiras; os temores financeiros, ou físicos quiserem lhe tirar o sono, sufocar a alegria e substituir a orientação da Palavra por qualquer princípio humano – lembre-se do salmo 16. Deus é refúgio, Senhor, Conselheiro, presente e fiel.
Entregue ao Senhor aquilo que quer roubar de você a possibilidade de deleitar-se nEle.
Mateus Henri diz que o salmo apela para uma “oração que todos devem orar:
Guarde-me, ó Deus não só da morte, mas dos pecados.”

Sobre admin

Egon Paulitsch. Nasci em Ponta Grossa - Paraná. Formação: Bacharel em Teologia pelo Seminário Bíblico Palavra da Vida - SP. Membro da Igreja Ev. dos Irmãos de Coqueiro em Ananindeua - Pará. Vanete Monteiro Paulitsch - Nasci em Belém - Pará. Formação: Magistério; auxiliar de Enfermagem e Licenciatura em Teologia com especialização em educação cristã - Seminário Bíblico Graça - Belém.
Esta entrada foi publicada em Esboço de pregações e marcada com a tag . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>